quarta-feira, julho 19, 2006

# CXVI - Poesia 2 - Mário-Henrique Leiria


(Algures da net)



Uma nêspera
estava na cama
deitada
muito calada
a ver
o que acontecia

chegou a Velha
e disse
olha uma nêspera
e zás comeu-a

é o que acontece
às nêsperas
que ficam deitadas
caladas
a esperar
o que acontece


Rifão Quotidiano
em "Novos Contos do Gin Tónico"

2 comentários:

Lino Gomes disse...

Eu às vezes pareço uma nêspera. Só espero que não me saia uma velha na rifa...

Assobio disse...

Tem graça! Também acho este texto fabuloso.
"Algures na net", pela parte que me toca, foi em 6 de Dezembro do ano passado, como "Fruta da Época".
Nêsperas somos todos nós!
A sorte é que algumas nunca apodrecem!