terça-feira, dezembro 26, 2006

# CLXXVII - Magia? Feitiço?


(As primeiras camélias, da velha japoneira, são sempre bem vindas para alegrarem a casa! Como um feitiço, ano após ano...)

Não é de agora. Desde que me lembro, sempre participei nas festinhas da escola dos miúdos. Natal e fim de ano, sobretudo. E incubido da animação de som e luzes, lá estamos os do costume. Preparo música para ir pondo, nos intervalos.
Claro que procuro ir ao encontro dos gostos da pequenada. Costuma ser mais ou menos fácil, até porque os tenho cá em casa, também.
Mas desta vez fiquei mesmo surpreendido. Não é que, num só coro, desde os da pré-primária até aos do quarto ano todos sabiam esta canção, palavra por palavra?? E afinadinhos... Estarão todos assim românticos?
Acho que foi Feitiço!

---<-@

André Sardet - Foi Feitiço

Eu gostava de olhar para ti
E dizer-te que és uma luz
Que me acende a noite
me guia de dia e seduz

Eu gostava de ser como tu
Não ter asas e poder voar
ter o céu como fundo
ir ao fim do mundo e voltar

Eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
para gostar tanto assim de alguém como tu

Eu gostava que olhasses para mim
E sentisses que sou o teu mar
Mergulhasses sem medo
um olhar em segredo
Só para eu te abraçar

O primeiro impulso,
é sempre mais justo
É mais verdadeiro.
E o primeiro susto,
dá voltas e voltas
Na volta redonda de
um beijo profundo







3 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Mas já as camélias estão assim, assombrosas, deslumbrantes? E eu deslumbrada e assombrada!

TsiWari disse...

As que florescem mais cedo sim.
Uma vermelha e uma outra branca.

Depois "abrirão" as raiadas (vermelhas e brancas,uma delas com flores grandes como palmas de mão - a lembrar as gardénias que as madames usavam nas pistas de dança, atrás da orelha) e uma outra branca.

;)***

Anónimo disse...

As camélias vermelhas e as camélias brancas serão para sempre deslumbrantes, bem mais bonitas que todas as outras, porque trazem consigo o carinho e o orgulho da minha mãe. Basta fechar os olhos e consigo ver o olhar embevecido de quem tem no seu jardim as mais bonitas camélias das redondezas.