terça-feira, fevereiro 17, 2009

# CCLXXXVII - F&G

.
.
.


[Porto, Fev'09]



O melro

Está poisado no cedro e canta apenas
as penas e alegrias nupciais.
Amor e adeus. Encontro e despedida.


[Manuel Alegre]



------------------------------------------------------------


Ao som de La Llorona, pelos Devotchka :




5 comentários:

lunarqueen disse...

O intervalo entre o olá e o adeus... esse só aos que vivem o amor está vedado, pelo que terão sentido, vivido...

Carlota disse...

Oi.
Não tem nada a ver, mas tive de vir dizer que no fim-de-semana passado comprei a primeira série do Weeds (muito em conta, muito em conta). Ontem vi os dois primeiros episódios e gostei muito.
Obrigada pela dica.

Rosa dos Ventos disse...

São as antíteses da vida...
Gostei do som, às vezes as palavras atrapalham!

Abraço

Maria Teresa Lopes disse...

...
o norte e o sul
(ai, esta ânsia dos poetas de procurarem sempre o caminho mais difícil...)

***
13A

tsiwari disse...

lunarqueen : esses intervalos podem ser tão saborosos, a ponto de justificar os desertos que povoam os nossos hábitos. o segredo, julgo eu, poderá passar por se procurar fazer desses tempos a regra e dos outros a excepção. concordarás, por certo... ;)***

Carlota : ainda bem. depois far-me-ás o favor de contar se o interesse se manteve, à medida que foram sendo desmultiplicadas de uma forma sublime as inúmeras histórias. ;)***

Rosa dos Ventos : é, às vezes acontece que as palavras já estão ditas. e resta ouvi-las, gritadas nuns sons de fundo... ;)***

Maria Teresa Lopes : proibido, apetecido... sábio povo. ;)***