domingo, abril 29, 2007

# CXCVII - Fernando Terra, one-man-show


(Ontem, na Fnac do NS)

Há alguns anos atrás, nem sei precisar bem quantos, fui à Fnac do NS para asistir a um show-case do Al di Meola. O sítio estava à pinha. Havia um rapaz que estava sentado, só, numa das mesas aguardando o início da apresentação... Como tinha umas cadeiras vazias, nessa mesa, perguntei-lhe se me podia sentar.

- Com certeza, respondeu-me num português do Brasil.

Sentei-me e entabulámos conversa. Fiquei a saber da paixão mútua pela Maria João e tantos outros artistas da cena musical.

- E o que fazes, cá em Portugal?

- Sou artista, a tentar lançar a carreira. Estive noutros países da europa, já. E quis tentar Portugal... a facilidade da língua é importante, neste processo.

E continuámos por aí fora. Até hoje.

Entretanto fui assistindo aos seus múltiplos trabalhos - com marionetes para um espectáculo infantil lindo, com a sua música como banda sonora numa animação (olha que vai passar na televisão dia tal às tanta horas - e todos, em casa, (ou)vimos!) e nos espectáculos que ia dando pelo Norte, quando cá vinha e avisava. Nesta fase, já vivia em Lisboa, porque lá era onde tudo se passava (e passa!).

Ofereceu-me um cd com as suas canções próprias e um outro com algumas versões de standards.

Um dia, numa festa popular, ouço uma canção sua a tocar em alto volume, saída dos altifalantes dum carrossel - era o Tschüss cantado pelo Iran Costa.

Há uns dias, lançou o primeiro cd - "Ladrão de sonhos". Já eu sabia de cor quase tudo o que lá pôs. É um cd muito, muito, muito agradável. Vai ser um sucesso! Canções limpas, com sonoridades de quem calcorreou mundo e letras de quem vivenciou muitas experiências. Altamente recomendado.

Amigo meu, força nisso! Abraço, Fernando.

---<@

Qualquer-Cola
Composição: Fernando Terra

Eu era viciado em qualquer cola
e os cães da minha rua me adoravam.
Ia de mobilete pra escola.
Os carros da avenida ultrapassavam...
... num gás!!!
Isso há muito tempo atrás.

Sonhava o sonho de um Zé Qualquer.
Às vezes escorregava e não caía.
Amigos meus vendiam picolé.
De tarde ía pra casa da vizinha...
... num gás!!!
Isso há algum tempo atrás.

Enquanto eu caminhava contra o vento...
Não sei se era maio ou dezembro.
Um simples punk da periferia.
Ouvia uma sirene e eu corria...
... num gás!!!
Isso há pouco tempo atrás.

E resolvi mudar do meu país.
Mudei. Fui lá pras bandas de Paris.
Achei que a pobreza era de mais.
Voltei correndo pra Minas Gerais...
... num gás!!!
Isso há um minuto atrás.

Mesmo que seja longe,
no “ó” de Belo Horizonte.
A Inglaterra, Trás os Montes.
A Alemanha e a Turquia.
A França e Andaluzia.
A Guatemala, os Açores.
Guarapari, Várzea das Flores.
Na selva dos animais.
Porto, Lisboa e Cascais.
... o tempo que não volta mais!



Podem ouvir todo o cd em http://www.fernandoterra.com/

4 comentários:

Miguel Pinto disse...

No fundo, este blogue acaba por ser um dos meus thinking blogs. Por via da música e não só...

MRF disse...

Som bom, agradável, voz limpa, cuidado nas letras. Parabéns ao teu amigo!

Maria Lisboa disse...

Gostei! E pronto... gostei :)

Teresa Lopes disse...

Esse teu ar de bom samaritano...
Vale sempre a pena.
Abraço