segunda-feira, abril 09, 2007

# CXCIV - E por falar em Nordeste


(A terra seca impede a labuta quotidiana, Porto, Abril de 2007)



Referi no post anterior o tema Asa Branca. Este hino do Pernambuco foi cantado e interpretado por dezenas de artistas (em Portugal, assim de repente, lembro-me duma versão da Isabel Silvestre e outra do Rao Kyao). O instrumental é lindíssimo e a letra fala da seca na região do Nordeste brasileiro que obriga toda a gente a abandonar a sua terra, inclusivamente um pássaro chamado Asa Branca.

A Volta da Asa Branca (1950) – nesta toada-baião, Zedantas retrata a alegria do sertanejo ao ver a Asa branca voltar ao Sertão e, com ela, chegam as primeiras chuvas, a esperança do sertanejo. Luiz Gonzaga, em entrevista ao Globo Repórter – TV Globo (1985), afirma que “A Asa branca é o símbolo da dor e do sofrimento na seca. Quando a seca queima o Sertão, até a Asa branca vai embora”. Zedantas, ao organizar uma seleção de seus sucessos com Luiz Gonzaga, em uma nota explicativa para o primeiro LP em 1959, intitulado Luiz Gonzaga canta seus sucessos com Zedantas, diz: “A Asa branca, imitando o sertanejo, migra para outras terras e volta ao Sertão nas primeiras chuvas. Tão singular o mimetismo de vida, já legou ao retirante o epíteto de ‘Asa branca’”.(DANTAS, 1959).

Fica-me sempre a imagem das mulheres sérias, dos homens trabalhadores...

-----<@
Asa branca - [Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira]


Quando olhei a terra ardendo qual fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu por que tamanha judiação (2x)


Que braseiro, que fornalha, nenhum pé de plantação
Por falta d'água perdi meu gado, morreu de sede meu alazão (2x)


Inté mesmo a Asa Branca bateu asas do sertão
Entonce eu disse: adeus Rosinha, guarda contigo meu coração (2x)


Hoje longe muitas léguas nessa triste solidão
Espero a chuva cair de novo pra eu voltar pro meu sertão (2x)

Quando o verde dos teus olhos se espaiá na plantação
Eu te asseguro, não chores não, viu
Que eu voltarei, viu, meu coração (2x)

A volta da asa branca - [Zé Dantas - Luiz Gonzaga]

Já faz três noites / Que pro Norte relampeia
A Asa Branca ouvindo / O ronco do trovão
Já bateu asas e / Voltou pro meu sertão
Ai ai eu vou-me embora / Vou cuidar da plantação

A seca fez eu desertar / Da minha terra
Mas felizmente Deus / Agora se "alembrou"
De mandar chuva / Pra esse sertão sofredor
Sertão das "muié séria" / Dos "home trabaiadô"

Rios correndo / As cachoeiras tão zoando
Terra molhada, / Mato verde que riqueza
E a Asa Branca / Tarde canta que beleza
Ai ai o povo alegre / Mais alegre que a natureza

Sentindo a chuva / Me "arrecordo" de Rosinha
A linda flor do meu / Sertão pernambucano
E se a safra não / Atrapalhar meus planos
Que que há seu vigário / Vou casar no fim do ano

Das versões que conheço, gosto particularmente desta da Elba Ramalho com o fabuloso Zé Ramalho (do Admirável Gado Novo!):


5 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

O teu texto , os poemas musicados e cantados de uma maneira tão doce e tão sofrida fizeram-me recordar o livro de Graciliano Ramos intitulado "Vidas Secas" que li e analisei na cadeira de Literatura Brasileira já lá vão uns anos.
Os nordestinos são mesmo uns sobreviventes!

Miguel Pinto disse...

Que música tocou hoje na Maia? ;)

TsiWari disse...

Rosa dos Ventos : é um povo especial, sem dúvida! ***

miguel : foi uma sonata de Schubert...uma cantata... acho que andam a apaziguar. [[ ]]'s

Anónimo disse...

Quando a arte retrata as duras realidades do Homem a beleza torna-se presença obstinada!


Até sempre!
Aldina

Sofia disse...

Luiz Gonzaga, Elba Ramalho, Zé Ramalho ... grandes nomes da música brasileira. Bom saber que atravessaram fronteiras e ainda são lembrados :)
Abraços,