domingo, julho 29, 2007

# CCXIII - Folclore mexicano

Numa noite desta semana - quarta-feira, para ser mais exacto - fiz uma viagem pelo mundo fora, no Mercado Ferreira Borges. Muito bem organizado pelo Rancho Folclórico de Paranhos, o XXVII Festival Internacional de Folclore da cidade do Porto.
Nessa noite, participaram seis representações internacionais : a Polónia, a Moldávia, a Letónia, a Ucrânia, o Chile e o México.
Um dos momentos altos, tradicionais nestes festivais, foi o cantar dos respectivos hinos nacionais. Arrepiante, a postura dos elementos quando se cantavam os hinos, sobretudo os que respeitavam aos próprios países. Traduziram muito do amor de cada um pela sua pátria. Emocionante, o público de pé, no decorrer destes exaltamentos. E todo o público a cantar o hino de Portugal...
Cada grupo dava-me alvas asas e eu voava para longe dali.
Claro que o México, com aquela mescla de cores, me fez revisitar todo um país onde nunca estive e que reside num canto da minha memória afectiva. Lindo demais.
Uma imagem e um vídeozinho, para partilhar convosco:






A excelente apresentação de Fernando Pino mudou para sempre o meu sentir ao ouvir o tema Besame Mucho, da Consuelo Velazquez (escrita aos 16 anos!). Sempre pensei nela como uma canção de despedida, de receio de despedida, sim, mas entre amantes...
O apresentador realçou o que todos sentíramos no sentimiento daquele jovem mexicano cantando com toda a sua alma, emocionado até às raízes dos cabelos... e explicou: aquela canção de sucesso mundial, não tinha nada a ver com sensualidades, com amantes, com o que associamos ao caliente dos boleros... O que a autora pretendia contar era o que uma mãe, no próprio leito da sua morte, cantava ao filho, que sentia que ia deixar para trás. A situação inversa, curiosamente, do post do outro dia, Pedaço de Mim.




Besame, besame mucho
como si fuera esta la noche
la ultima vez


Besame, besame mucho
que tengo miedo a perderte
perderte despues



Besame, besame mucho
como si fuera esta la noche
la ultima vez


Besame, besame mucho
que tengo miedo a perderte
perderte despues



Quiero tenerte muy cerca
mirarme en tus ojos
verte junto a mi


Piensa que tal vez mañana
yo ya estare lejos,
muy lejos de aqui



Besame, besame mucho
como si fuera esta noche
la ultima vez


Besame, besame mucho
que tengo miedo a perderte,
perderte despues

7 comentários:

TsiWari disse...

Boas férias, se for o caso.

Voltarei... acho eu!

deep disse...

Gosto desta música!

Boas férias também para ti.

Por que não hás-de voltar???!

Colibri disse...

Recordo bem o deslumbre que vivi na actuação de um grupo de folclore argentino...

É isso mesmo, uma viagem pelo mundo fora aquilo que sentimos no decorrer de um festival internacional de folclore.
Há uns anos, não perdia um dos que, anualmente, se realizavam durante dois dias. Que prazer entre os sons e cores do palco e o colorido que nos rodeava, também eles público, enquanto outros actuavam. Deleitei o olhar, o ouvido e alma por me sentir tão pertença desta aldeia que, de diferentes raças e culturas, mantinha viva a mesma humanidade.

Gostei muito deste teu post e das memórias que arrastou.

Ainda uma outra palavra para a "revelação" da origem da canção Besame mucho. Também eu a associava de modo diverso. A força dos afectos torna múltiplas as interpretações de uma mesma canção.

Boas férias!

Até já, numa palavra ou num som.

Rosa dos Ventos disse...

O nosso hino deixa-me sempre lágrimas nos olhos!
Dansei muito ao som do "besame..." e nunca imaginei que seria essa a sua origem!
Sou uma piegas! Cá estou eu de lagriminha no olho!
Obrigada por me fazeres chegar esse festival...

Rosa dos Ventos disse...

Só agora reparei que me armei em Sophia de Mello e escrevi o verbo dançar com s.
Nela é uma liberdade poética, em mim é um grave erro ortográfico!
Sorry...

Fábia Pinto disse...

Bem não posso deixar de comentar. Realmente desconhecia de todo a origem da música ( mas imaginava que estivesse relacionada com amantes)assim, ainda se torna mais tocante. Mas o que me levou a escrever foi mesmo o video, excelente, não resisti a tentar encontrar de imediato ligações com a nossa festa, os guizos e as cores... Obrigada pela partilha...

Sofia disse...

Há muitos anos eu passei umas férias no México e me encantei com as apresentações folclóricas. Tenho boas recordações daquele país.
Abraços,