sexta-feira, setembro 29, 2006

# CXLVI - Lhasa de Sela

Há pouco tempo atrás, fiz um post sobre a Lila Downs. Depois, caí na Estrella Morente, a propósito do Volver, do Almodóvar. Claro que já escrevera sobre a Chavela Vargas e sobre a Mercedes Sosa. E, nesse seguimento, tenho que vos contar sobre a Lhasa de Sela, que ouvi num das Músicas do Mundo, nessas fantásticas noites do Palácio de Cristal, no Porto.

Com certos/as cantores/as, aconteceu-me a desilusão aquando dos concertos. Foi assim com o Chico Buarque, foi assim com a Diana Krall - ambos no Coliseu do Porto. Gosto de ouvir, não gostei de os ouver.


Não foi assim com a Lhasa. Se gostava dela no registo audio - vulgo cd - gostei muito mais ao vivo. Uma profissional na reprodução do cd. Uma simpatia e uma entrega (no jogo de cativar o público) enternecedora. Esta canadiana do mundo, falando o castelhano (à la México), o inglês e o francês, nessa noite arranhou o português - e bem!

Deixo-vos um registo ao vivo, do tema De cara a la Pared, do album absolutamente imprescindível (de tão visceralmente belo!) em qualquer discoteca La llorona - Lhasa de Sela :



Llorando …De cara a la pared, Se para la ciudad.
Llorando …Y no hay más, Muero quizás. Ha! Dónde estás ?
Soñando … De cara a la pared, Se quema la ciudad.
Soñando …Sin respirar, Te quiero amor.Te quiero amor.
Rezando …De cara a la pared, Se hunde la ciudad.
Rezando …Santa María, Santa María, Santa María.
Muriendo…

2 comentários:

Estrella de la Calle disse...

Também a ouvi, a vi de perto - tão humana!, a materialização viva deste conceito.
Porque sinto de modo idêntico às palavras que encontrei algures, aqui as transcrevo:

"Est-elle américaine, mexicaine ou québécoise? Anglophone, hispanophone, francophone? Montréalaise, marseillaise, gitane nouveau genre? Quelque part entre tout ça, sans doute. Mais pour l’auteure-compositrice-interprète, ces étiquettes n’ont pas d’importance. Elle est comme ses chansons, oscillant entre l’Europe et l’Amérique, le passé et le futur, la tristesse et la joie, les marimbas et les synthétiseurs. Une véritable citoyenne du monde."

Teresa Lopes disse...

Curioso... Não conhecia a artista nem a sua música. No passado fim-de-semana uma amiga trouxe-nos um disco seu e hoje deparo com este post.
Não há coincidências...