domingo, junho 08, 2008

# CCXLVII - E quem um dia irá dizer?

.
.
.
.


[De noite, há muitos gatos ... pardos!]


Como milhares de outros, tenho uma predilecção assumida por Renato Russo, a alma dos Legião Urbana. Ouvi, ouvi, ouvi, continuo a ouvir,...
Um dos temas de que mais gosto é este que hoje posto : Eduardo e Mônica.
Quantos Eduardos, quantas Mónicas conheceremos nós? Quantos de nós acreditam nas razões do coração?




Eduardo E Mônica
Legião Urbana - Composição: Renato Russo

Quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão...?

Eduardo abriu os olhos, mas não quis se levantar
Ficou deitado e viu que horas eram
Enquanto Mônica tomava um conhaque
No outro canto da cidade, como eles disseram...

Eduardo e Mônica um dia se encontraram sem querer
E conversaram muito mesmo pra tentar se conhecer...
Um carinha do cursinho do Eduardo que disse:
"Tem uma festa legal, e a gente quer se divertir"

Festa estranha, com gente esquisita
"Eu não 'tou' legal, não agüento mais birita"
E a Mônica riu, e quis saber um pouco mais
Sobre o boyzinho que tentava impressionar
E o Eduardo, meio tonto, só pensava em ir pra casa
"É quase duas, eu vou me ferrar..."

Eduardo e Mônica trocaram telefone
Depois telefonaram e decidiram se encontrar
O Eduardo sugeriu uma lanchonete,
Mas a Mônica queria ver o filme do Godard

Se encontraram então no parque da cidade
A Mônica de moto e o Eduardo de camêlo
O Eduardo achou estranho, e melhor não comentar
Mas a menina tinha tinta no cabelo

Eduardo e Mônica era nada parecidos
Ela era de Leão e ele tinha dezesseis
Ela fazia Medicina e falava alemão
E ele ainda nas aulinhas de inglês

Ela gostava do Bandeira e do Bauhaus
De Van Gogh e dos Mutantes, de Caetano e de Rimbaud
E o Eduardo gostava de novela
E jogava futebol-de-botão com seu avô

Ela falava coisas sobre o Planalto Central
Também magia e meditação
E o Eduardo ainda tava no esquema "escola, cinema
clube, televisão"...

E mesmo com tudo diferente, veio mesmo, de repente
Uma vontade de se ver
E os dois se encontravam todo dia
E a vontade crescia, como tinha de ser...

Eduardo e Mônica fizeram natação, fotografia
Teatro, artesanato, e foram viajar
A Mônica explicava pro Eduardo
Coisas sobre o céu, a terra, a água e o ar...

Ele aprendeu a beber, deixou o cabelo crescer
E decidiu trabalhar... (Nããããoooo!)
E ela se formou no mesmo mês
Que ele passou no vestibular

E os dois comemoraram juntos
E também brigaram juntos, muitas vezes depois
E todo mundo diz que ele completa ela
E vice-versa, que nem feijão com arroz

Construíram uma casa há uns dois anos atrás
Mais ou menos quando os gêmeos vieram
Batalharam grana, seguraram legal
A barra mais pesada que tiveram

Eduardo e Mônica voltaram pra Brasília
E a nossa amizade dá saudade no Verão
Só que nessas férias, não vão viajar
Porque o filhinho do Eduardo tá de recuperação
Ah! Ahan!

E quem um dia irá dizer
Que existe razão
Nas coisas feitas pelo coração?
E quem irá dizer
Que não existe razão...?





4 comentários:

deep disse...

Também gosto muito de Legião Urbana, de que tenho um disco que integra este tema! Há muito tempo que não os ouvia... Vou ficar aqui a ouvir...

Boa semana e bom final de ano para ti também! :)

Rosa dos Ventos disse...

Mais uma vez, pela tua mão, conheço alguém que desconhecia...
Sou uma ignorante! :-((
Gostei desta história tão bonita e tão bem cantada...

Abraço

Anónimo disse...

Muito bem elaborado seu blog e essa homenagem ao legião Urbana.
Amei, e voltarei mais vezes.
Beijos amigo .
Regina Coeli.
Te aguardo no cantinho da deusaodoya.

TsiWari disse...

deep : Há grupos que merecem ser revisitados. Este é, definitivamente, um deles. ***

rosa dos vents : que bom é saber que vais descobrindo algumas coisas por aqui. Ignorância é a indisponibilidade para partir à descoberta...e isso, não tens! ***

Regina : Bem vinda a este cantinho. Regressa sim... Eu já espretei a deusa. Tenho que parar a desfrutar, porque merece ***