sábado, novembro 27, 2010

# CDXX - Tradição

.
.
.












Mariza está de volta... e traz um dos mais bonitos fados tradicionais como bonus track, da edição cartonada.






Lavava no rio, lavava
[Amália Rodrigues / Fontes Rocha]

Lavava no rio, lavava
Gelava-me o frio, gelava,
Quando ia ao rio lavar.
Passava fome, passava,
Chorava, também chorava,
Ao ver minha mãe chorar!



Cantava, também, cantava!
Sonhava, também, sonhava!
E, na minha fantasia,
Tais coisas fantasiava,
Que esquecia que chorava,
Que esquecia que sofria!

Já não vou ao rio lavar,
Mas continuo a chorar!
Já não sonho o que sonhava!
Já não lavo no rio!
Por que me gela este frio
Mais do que então gelava?


Ai, minha mãe, minha mãe
Que saudades desse bem,
Do mal que eu não conhecia!
Dessa fome que eu passava,
Do frio que nos gelava,
E da minha fantasia!

Já não temos fome, mãe!
Mas já não temos também
O desejo de a não ter!
Já não sabemos sonhar,
Já andamos a enganar
O desejo de morrer!







12 comentários:

deep disse...

"Já não sabemos sonhar,/ Já andamos a enganar/ O desejo de morrer!" - em certa medida, está subjacente a ideia de que faltando a "loucura" (= a sonho), a vida é vazia de sentido.

Bom fim-de-semana. :)***

tsiwari disse...

Deep : remete-nos, também, para uma nostalgia das coisas simples e de um mundo onde, malgré tout, havia fantasia...

Bjo e bfs para ti tb

Paulo Sempre disse...

O desejo de morrer...

Abraço

tsiwari disse...

Paulo Sempre : continuamos a enganar esse desejo! A deixar o outro - o de viver - falar mais alto... e assim é que está bem.


:)))

libelinha disse...

Ai saudade, saudade :)

tsiwari disse...

libelinha: quando se está "lejos" sente-se melhor o peso da palavra, verdade?


:)*

zef disse...

Quase sempre me custa ouvir fado (coisas velhas, meu velho...); ouvi este e fui lendo e disse cá para mim: nem sempre é de excomungar o fado...

Um abraço, Tsiwari; olha, dois, já que estou por perto dos teus sítios.

tsiwari disse...

zef : este teu comentário é linddddoooooooooooooooo!

Obrigado e aquele abraço para ti

:)

wandering disse...

A letra deste fado fez-me recordar uma frase que li algures "Só recordamos o que nunca vivemos".

Recordações, sonho e fantasia, tudo entrelaçado para gerar saudades, do que foi, ou, do que nunca foi!

:)****

tsiwari disse...

wandering : No cantinho afectivo da memória podemos colorir os eventos... e isso faz parte da magia da vida, também!

Assim como os mimos :)


:)*********

Rosa dos Ventos disse...

Lindo, triste, desalentado, arrepiante, muito bem cantado e muito bem sentido!

Abraço

tsiwari disse...

Rosa dos Ventos : assim é! :)***